História

FORMAÇÃO ADMINISTRATIVA

História

...

HISTÓRICO:

A região de Sussuapara teve seus primeiros habitantes em meados do século XVIII. Na época a localidade pertencia a Fazenda Bocaina, que tinha como primeiros moradores a família Borges Marinho, sendo o primeiro morador de Sussuapara o sertanista Manuel Borges Leal, o mesmo batizou a região com o nome de Sussuapara, devido ao animal que vivia nos lagos e pé de serras da localidade, a onça sussuarana. Os primeiros habitantes adivinham da família de Manuel Borges Leal e de pessoas a ele ligadas por laços familiares e profissionais, procuravam essa região devido ao Rio Guaribas que corta Sussuapara ao meio, com o rico potencial de água e terras férteis, propícia a agricultura e pecuária. O processo de emancipação tem sua origem na conscientização surgida com as experiências de organização e associações de moradores e cooperativas. A partir deste desejo de liberdade e participação política, organizaram uma comissão pra conscientizar a população da importância de tornar-se independente.

Em 1º de outubro de 1995 aconteceu o plebiscito junto a população: a maioria dos eleitores votaram a favor da proposta de emancipação, somente a localidade de Lagoa Comprida não aceitou integrar-se ao novo município, ficando fora do plebiscito.

Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Sussuapara, pela Lei Estadual nº 4810, de 14-12-1995, de autoria do Deputado Estadual da época, Fernando Monteiro e tendo sua independência administrativa a partir de 1º de janeiro de 1997, desmembrando-se, portanto de Picos.

Possui os poderes executivos e legislativos; O Poder Executivo é constituído pelo prefeito e vice-prefeito e o legislativo pela Câmara Municipal composta por nove (09) vereadores. O Poder Judiciário pertence ao município de Picos.

A primeira eleição para o Executivo e Legislativo aconteceu em 1996 e em janeiro de 1997 o município foi instalado oficialmente, com a posse dos primeiros gestores e legisladores.

O Município de Sussuapara está situado na região Centro Sul do Estado, entre as cidades de Picos e Bocaina, num perfil várzea do Rio Guaribas, a 320,8 Km de Teresina. Localiza-se à margem direita do Rio Guaribas e limita-se ao norte com: São José do Piauí e Bocaína; ao sul: Picos e Geminiano; ao leste: Santo Antonio de Lisboa e Bocaína e a Oeste: Picos e Santana.

Conta com uma população estimada (2017) de 6.612 habitantes. No último censo (2010) contava com um número de 6.229 habitantes e com uma densidade demográfica (2010) de 29,70 hab/Km2.

O adjetivo pátrio que designa quem nasce em Sussuapara, é sussuaparense.

 

BRASÃO

É um símbolo de nobreza, honra, reputação, esplendor, conceito, idoneidade e grandeza, formada pelo conjunto de elementos representativos da natureza e costumes dos habitantes que contribuíram direto ou indiretamente para a existência, ou seja, no passado, ou no presente do município, tendo como símbolo a carnaúba, o Rio Guaribas, fita, ramos de milho e estrelas.

Carnaúba – É um vegetal pré-histórico que predomina a região e muito usado na economia pelos nossos antepassados. Ex: cera, artesanal, adubo orgânico, madeirado na construção de casas e etc;

Rio Guaribas – É representado por uma faixa azul horizontal sinuosa na parte inferior dentro do brasão. É uma riqueza natural que contribuiu no surgimento da antiga fazenda Sussuapara e onde a maioria dos habitantes no período da estiagem utilizava de sua água para uso doméstico;

Ramos de milho – Há nas bordas laterais externas do brasão, dois ramos de milho, um de cada lado, simbolizando a agricultura, por ser um município de maior atividade agrícola e pecuária;

Fita – Há também uma insígnia honorífica na parte externa inferior do brasão, uma faixa escrita: Sussuapara – PI, e a data de 14/dez/1995, data em que foi promulgada a lei estadual nº 4.810, determinando Sussuapara Município. A fita além de ser um ornamento, está constituindo uma virtude, merecedora de muito respeito, honrado, decoroso, magnitude e digno de caráter.

Estrelas – Existem três estrelas na área superior externa do brasão: três estrelas na posição de arco, representando os três poderes: Legislativo, Judiciário e Executivo. Deixando clara a qualidade de seus habitantes, nas quais sempre se espelham nessas normas para manter a ordem do progresso, dando assim ênfase de um povo que almeja um desenvolvimento, mas cumprindo-se todos os seus deveres de munícipes.

BANDEIRA

O Sr. Joaquim Luis de Moura Fé, sem nenhum interesse financeiro ou político, tendo em vista apenas beneficiar sua terra natal, enviou para Câmara de vereadores um projeto de sua própria autoria, onde no mesmo, continha a criação de um brasão e uma bandeira apara o município. Possuindo a mesma três cores (azul, amarela e verde) e três estrelas brancas que tem os seguintes significados:

Azul – O azul simboliza o céu, porém Sussuapara está em uma região onde sua maior parte do tempo o céu é limpo, sem nuvens e formando um horizonte azul celeste, sua beleza é enorme, assim como a grandiosidade de seus habitantes;

Amarelo – Tem um significado muito importante, a riqueza. Podemos dizer que Sussuapara possui um imenso valor, suas famílias são iluminadas por Deus, mesmo com todas as dificuldades, acabam irradiando tudo e a todos que se aproximam, destacando mais o espírito de trabalho e união, dando assim noção da grandeza de sua circunscrição;

Verde – O verde tem uma interpretação essencial, a esperança. Sussuapara está localizada em uma área rural, onde a maior atividade é a agricultura, seu estado é o Piauí, cuja bandeira predomina a cor verde.

Estrelas – Representa as três administrações: Municipal, Estadual e Federal. Sua cor branca simboliza a união e o respeito que o município tem pelo estado e pela federação. A bandeira e o brasão foram projetados conforme elementos existentes no município de Sussuapara.

 

FESTAS E EVENTOS

Uma das maiores festas comemorativas, acontece a cada ano, no dia 14 de dezembro, momento em que a população sussuaparense comemora a Emancipação política do município, com eventos promovidos pela Prefeitura de Sussuapara, com atrações artísticas, culturais e missa local, contando ainda com a participação de visitantes, autoridades e lideranças políticas da região.

Sussuapara por ser um município que conta com muitos templos católicos, são vários os eventos religiosos que acontecem no decorrer de cada ano no centro e povoados, e conta com uma grande participação da população local e de visitantes. Sendo eles:

Centro - São Sebastião, 20 de janeiro

Povoado Santa Luzia - Padroeira Santa Luzia, comemorado no dia 13 de dezembro;

Lagoa do negro - Nossa senhora das Graças, dia 27 de novembro;

Tamboril - Sagrado Coração de Jesus, dia 30 de junho;

Carnaúbal: Nossa senhora de Fátima, dia 13 de maio;

Salinas -  Nossa senhora Aparecida dia 12 de outubro;

Baixa dos Moura - São Bento, dia 11 de julho;

Cipaúba - Sagrado Coração de Jesus, dia 30 de junho;

Lagoa Grande – Santa Inês, dia 21 de Janeiro;

Camarada - Nossa Senhora Aparecida, dia 12 de Outubro;

Abóboras - São Francisco de Assis, dia 04 de Outubro;

Cercado - São João Batista, dia 24 de junho;

Vila Nova - São Francisco, dia 04 de Outubro;

Conselho - Frei Galvão, dia 25 de Outubro

Novo Paquetá – São Pedro, dia 29 de Junho;

Pereiros - São José, 19 de Março;

Várzea do Engano - São Batista, dia 24 de Junho;

Saco das Tábuas - N. Sra. Aparecida, dia 12 de Junho.

 

Há dois anos o município também passou a contar com mais um evento que se tornou tradição local, entrando para o calendário festivo e cultural, a cavalgada e missa do vaqueiro, que é realizada a cada dia 30 de Outubro, com a presença dos vaqueiros e vários fiéis. Em 2016 a missa campal foi celebrada pelo padre Francidilso Silva, na praça em frente à Igreja de São Pedro, em Paquetá. Na ocasião, houve uma homenagem ao jovem Miguel Soares de Aquino Neto (Manin) que faleceu há pouco mais de um mês, vítima de acidente de trânsito. Ele admirava a vida de vaqueiro. Após a missa, a vaquerama se organizou em seus cavalos e promoveu uma cavalgada em direção ao Clube Ele & Ela, no povoado Vila Nova. Os cantores Andrews Robson e Rômulo Junior participaram da cavalgada e logo após fizeram a animação dos presentes, cantando sucessos da carreira e toadas de vaquejada.

 

RELIGIOSIDADE

 

Catolicismo:

Desde as suas mais remotas origens, os católicos de Sussuapara dependem da assistência religiosa dos párocos da cidade de Picos. Ainda hoje é dependente da assistência dos vigários das Paróquias de São José Operário e de São Francisco, ambas pertencentes ao município de Picos. Os mesmos dão assistência maior na linha sacramental: batizados, casamentos, crismas, eucaristias e missas.

O município possui vários templos católicos, na sede a Igreja de São Sebastião, Padroeiro da cidade. Na localidade Santa Luzia, a Capela de Santa Luzia, a mais antiga do município. Em Carnaubal, a Capela de Nossa Senhora de Fátima. A Capela do Sagrado Coração de Jesus, no Bairro Tamboril, construída em 1983. A Capela de São Pedro, Bairro Novo Paquetá, A Capela de N. Sra. Aparecida, na localidade Salinas; A de São Bento, na comunidade Baixa dos Moura; A Capela de São João Batista, na Localidade Várzea do Engano e mais recente, a Capela de São Francisco de Assis, no Localidade Abóboras.

A Capela de Santa Luzia, conforme livro de Tombo da Comunidade, foi construída em 1952, com a colaboração da comunidade, tendo em frente a liderança do Sr. Antonio José da Silva Araújo, mais conhecido por Antonio Evêncio, os pedreiros foram o Sr. Antonio Raimundo Veloso, Domingos da Costa Veloso e José da Costa Veloso. O material foi adquirido por meio de doações e com o esforço da comunidade, através de leilões. A sugestão de Santa Luzia como Padroeira da Comunidade, partiu do Sr. Antonio Evêncio, que foi acolhida pelo vigário e população. Na oportunidade da benção da Capela, o Pe. Madeira sugeriu a mudança do nome do lugar de Ema para Santa Luzia, todos os que estavam presentes acolheram a proposta. Naquele mesmo ano foram realizados pela primeira vez os festejos de Santa Luzia, com tríduo de oração, leilão, procissão e missa, já com a imagem da Padroeira, que fora comprada em Recife, em 13 de dezembro de 1952. Hoje a comunidade continua a celebrar sua caminhada, contando com uma maior participação e organização, os fiéis de Santa Luzia passaram a realizar, no dia 04 de dezembro, desde 2016, uma caminhada penitencial que sai do bairro Pedrinhas, no município de Picos, com destino ao povoado Santa Luzia, percorrendo mais de 12 km do início ao final do trajeto, essa atividade religiosa também passou a fazer da programação dos festejos de Santa Luzia,

A Igreja de São Sebastião foi construída em 1960, sob orientação do PE. José Ignácio de Jesus Madeira, teve também a colaboração da comunidade, que doaram materiais de construção e prestação de serviços de mão de obra. O Padroeiro foi sugerido pelo Pe. Madeira e de bom gosto acolhido pela comunidade. A imagem foi doada pelo padre, antes mesmo da construção da capela, a mesma saiu em peregrinação com o fim de angariar recursos financeiros para a construção. Tais peregrinações eram animadas pelo Sr. Moisés Estevão. Antes da construção da igreja, a comunidade se reunia para rezar e celebrar as missas na residência de Raimundo Pereira Leal, ainda hoje, membros desta família participam ativamente dos cuidados da igreja e da animação da comunidade cristã, que por sua vez recebe assistência do Vigário da Paróquia São José Operário em Picos.

 

Evangélicos:

A Igreja Evangélica Assembléia de Deus, chegou em Sussuapara a aproximadamente uns 18 anos e conta com uns seis templos construídos. O primeiro foi construído em Abóboras em 1999, os outros estão respectivamente no centro, em Novo Paquetá, Lagoa dos Negros e Saco das Tábuas.

O primeiro Pastor a residir no município foi o Sr. Carlos de Araújo, em 2006, o Pastor Alcimar Carneiro Pessoa e na atualidade o Pastor Samuel Figueiras. Nos dias atuais Sussuapara conta com mais fiéis de outras igrejas Evangélicas, mas que ainda não tem um templo construído no município.

 

.

Arquivo